AVISO

Meus caros Leitores,

Devido ao meu Blog ter atingido a capacidade máxima de imagens, fui obrigado a criar um novo Blog.

A partir de agora poderão encontrar-me em:

http://www.arocoutinhoviana.blogspot.com

Obrigado

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Dia de S. MARTINHO. A HISTÓRIA E A LENDA - 11-11-2010



Dia de S. Martinho,

dia 11 de Novembro de 2010



S. MARTINHO NA HISTÓRIA E NA LENDA


S. Martinho na História

S. Martinho de Tours ou simplesmente S. Martinho, nasceu na Panónia, actual território da Hungria, no ano de 316, filho dum oficial do exército romano.




Aos 16 anos de idade, sendo já catecúmeno – aquele que se prepara e instrui para o baptismo – entrou para o exército, onde atingiu o posto de oficial da Guarda Imperial.

Abandonou a vida castrense, e como discípulo de Santo Hilário recebeu ordens sacras de frade em 354.

Em 361 fundou um mosteiro em Ligugé (Poitiers, França), sendo ordenado bispo de Tours em 371, e foi o maior propagador da fé na Gália, hoje França.

Faleceu em 397, e durante muitos séculos foi um dos santos mais populares da Europa, cuja memória litúrgica é comemorada a 11 de Novembro, data em que foi enterrado em Tours, França.

S. Martinho na lenda

No ano de 338, quando ainda era militar do exército imperial romano, durante uma ronda nocturna no rigor dum impiedoso Inverno encontrou um pobre seminu que lhe implora caridade, a quem querendo acudir e como não tinha dinheiro, sacou da sua capa, e cortou-a ao meio para a partilhar com um desconhecido.

Na noite seguinte, durante o sonho viu Jesus vestido com aquela porção de capa, que lhe agradeceu ter-lhe dado metade da mesma.
net





Outra versão da lenda, relata que partilhou a sua capa com um soldado pobre e roto.

A lenda de S. Martinho, nasceu, segundo algumas versões, quando algumas árvores floriram durante o trajecto em que o seu corpo foi levado de Candes, onde faleceu, até Tours, onde seria sepultado.

Seja como for, e conforme reza a lenda, todos os anos nos primeiros dias de Novembro desponta sempre um Sol de Estio para recordar o bondoso gesto de S. Martinho, e por esses dias o céu e a terra aquecem, de modo a que mais nenhum ser humano passe o tremendo frio que assolou o mendigo dos tempos lendários. ( Verão de S. Martinho ).

S. Martinho na Etnografia

Esta é a altura dos magustos, que estaria primitivamente relacionado com o culto dos mortos e com as celebrações de Todos os Santos e Fiéis Defuntos.

É também, e sobretudo, a festa vinícola, ocasião em que se prova o vinho novo, se atestam as pipas, e que noutras eras foi celebrada em muitos sítios com afamados cortejos de bêbados, galhofando com as procissões religiosas, numa versão báquica, onde nas adegas se bebe livremente em burlescas fraternidades, numa associação de vinho e castanhas. O S. Martinho é, ainda, ensejo de matança de porco.

O seu dia coincide com a período do ano em que se realça o culto dos antepassados e com a época do calendário rural, em que acabam os trabalhos agrícolas e se principia o fruir das colheitas, nomeadamente do vinho e dos frutos, leva a que a festa deste santo tenha um profundo elemento de exuberância prazenteira que hoje tende a predominar.

S. Martinho no Alto Minho



S. Martinho é presença quase constante em todo o distrito, com as estranhas excepções de Valença e de Vila Nova de Cerveira, onde não consta em nenhuma paróquia como santo padroeiro.

Em Paredes de Coura como seu orago temos a freguesia de S. Martinho de Coura, e o caso particular de Vascões, embora oficialmente o orago seja S. Pedro, foi conhecida e referenciada durante muito tempo por S. Martinho de Vascões.

No Vale do Minho, aparece em Caminha na freguesia de Lanhelas; em Alvaredo e Cristóval, na jurisdição de Melgaço; e na freguesia de Parada, no concelho de Monção.

Na Ribeira Lima vemo-lo no município de Arcos de Valdevez como orago das freguesias de Cabana Maior, Mei e Soajo; em Britelo, Crasto e Paço Vedro de Magalhães, no concelho de Ponte da Barca; em Ponte de Lima surge nas freguesias de Fristelas e de Gandra; e por fim, em Viana do Castelo, nas freguesias de Freixieiro de Soutelo, Outeiro, Vila Fria e Vila Mou." : escavar-em-ruinas.blogs.sapo.pt/ - pode ainda  consultar: http://padornelo.blogs.sapo.pt/, http://vilaflor.blogs.sapo.pt/ CF. Comentário do autor  e agora a correcção da autoria que só foi posto texto da Net?


  Não esquecer o ditado popular : "Por S. Martinho vai à adega e prova o vinho", isto é, conforme estiver o vinho nesta altura, assim o terás durante o ano. Acabou o trabalho de fermentão e daquele gosto forte do vinho novo.
Por São Martinho -castanhas, pão e vinho. Desde criança que  era assim , mesmo na catequese.

4 comentários:

Anónimo disse...

Talvez nestes tempos controversos, as nossas elites, os nossos governantes, os poderosos estivessem inspirados em seguir o exemplo de São Martinho…Talvez seja só uma utopia, uma esperança, para esquecer que pelo contrario, cada dia que passa não há saciedade para os vampiros que se enchem num orgia sem fim, a custa dos suor, do sangue, do trabalho e da miséria do povo provocada por este apetite insaciável do dinheiro e do poder de dominar o próximo…O exemplo de partilha e respeito do S. Martinho e do Cristo se afasta cada dia mais, na sociedade portuguesa em particular e de maneira caricata…Mas também pelo mundo que parece estar louco…E se Deus ainda tiver paciência para olhar pela janela do mundo para a Terra se perguntará o que os homens fizeram e fazem, com pena…

acoutinhoviana disse...

Gostei muito deste comentário, mas se o continuarmos nunca mais acaba. Subscrevo por completo. Agora nem dinheiro há para castanhas e muitas dificuldades para partilhar a exemplo de S. Martinho. falta comida, agazalho,falta tudo...Só não falta o amor de Deus que se esquece, se abandona e que muitos já nem sequer querem saber nada disso.Não existe Mundo sem Deus!...
Se continuarmos assim, tudo acabará
depressa...
A vingança dos homens será grande e os políticos começarão a usar o que a Ciência lhes ofererce.
O mundo da globalidade foi um caminho para a irresponsabilidade que está a acontecer em todo o lado,sobretudo, na Europa, daí a descristianização da mesma e o pôr de lado qualquer ideia do absoluto, transcendente seja de que religão for!...Todos estão a embarcar na mesma arca do capitalismo arreligioso...ateísmo prático.
Quem nos salva?
Só Deus!
Quem nos dá exemplo?
Os santos como S. Martinho.
Todos os viventes que vivem um espirito generoso de fé e amor!... à maneira de Jesus.

Jofre de Lima Monteiro Alves disse...

Este texto tem autoria expressa e propriedade de autor indicada, sendo, por isso um lamentável abuso a sua reprodução sem autorização do seu autor e sem, tão-pouco citar o blogue donde foi inapropriadamente retirado.

Nem tudo o que luz na Internet nasceu fruto do ocaso e por geração espontânea. Algumas coisinhas, por vezes, são fruto do labor de outrem, como é o caso.

Este texto, como aliás bem o sabe, pertence ao blogue ESCAVAR EM RUÍNAS, artigo do dia 11 de Novembro de 2008 e ao blogue PADORNELO, artigo de 10 de Novembro de 2007.

Peço que reponha a verdade imediata dos factos e retire este artigo abusivamente plasmado aqui.

Jofre de Lima Monteiro Alves

http://escavar-em-ruinas.blogs.sapo.pt/

http://padornelo.blogs.sapo.pt/

http://vilaflor.blogs.sapo.pt/

http://iluminura.blogs.sapo.pt/

http://abril-de-novo.blogspot.com/

acoutinhoviana disse...

Ainda bem porque eu poensei que seria da net e como gostei dele o transcrevi e pus no fim uma cgamada da atenção para dizer que não era meu. "Texto Net?"
Eu preferia manter o texto e os comentários e a sua chamada de atenção porque apareceu o autor que tem os seus direitos e que vão dar mais valor ao texto, apesar da minha situação ficar fragilizada.Á verdade tem de estar no seu lugar e se quiser que retire, de facto o texto, eu o faço imediatamente.
É que me parece que o enobrece e mais agora por estar citado o seu autor.
Agradeço que me diga algo.